quarta-feira, 19 de setembro de 2007

"Vou me embora pro matagal,
lá sou amigo dos grilo,
que cantam de graça,
e nascem da conjunção da Lua nova
com a folha de coqueiro.
A formiga só trabalha
porque não sabe cantar.
Confesso abestalhado,
no meu banheiro,
até catarro elas pega."
Marcus

Um comentário:

Frederico disse...

Esse poema foi o melhor até agora uhahuauhahuau